Globo.com: Luzes, fumaça e música: com festa, Vôlei Futuro apresenta novas equipes

Primeiro, foram as meninas, recebidas no palco montado na quadra do ginásio Plácido Rocha com fumaça, luzes e hip hop ao fundo. Depois, o mesmo para a equipe masculina. Assim, com clima de festa, o Vôlei Futuro apresentou seus times para a temporada 2011/2012, nesta segunda-feira, em Araçatuba. Depois de bom ano, quando teve seus melhores resultados desde sua criação, o clube do interior de São Paulo voltou a investir em nomes de peso para o seu décimo aniversário.

Após perder Fabiana para o exterior, a equipe feminina foi a que mais se reforçou. Com títulos pela seleção, Walewska, Carol Gattaz, Fernanda Garay e Ana Tiemi são as principais contratações. Elas se juntam a Paula Pequeno e à americana Stacy Sykora, que sofreu um grave acidente no ano passado e volta ao clube no fim do ano, após os compromissos com a seleção dos EUA. O técnico também é novo: Paulo Coco, que veio do Pinheiros, assume o comando do time. Depois de passar sete anos no exterior, Walewska se diz animada por voltar ao Brasil e encontrar uma cidade tão envolvida com a equipe.

– Eu fui muito bem recebida. O primeiro encontro foi muito legal. Há oito anos, cheguei a jogar com algumas dessas jogadoras na equipe juvenil. Estou boquiaberta com toda essa estrutura. É a minha primeira vez no ginásio e já estou assim. Agora, tenho a certeza de que fiz a escolha certa. É uma cidade muito envolvida com o time.

Em relação à temporada passada, a equipe masculina foi a que sofreu perdas mais significativas. Leandro Vissotto e Lucão, ambos jogadores da seleção, deixaram Araçatuba ao fim da Superliga. Em contrapartida, chegaram Lorena, que estava na Itália; Vini, campeão da última Superliga pelo Sesi; Bob, ponteiro que também disputou o último Campeonato Italiano; Piá, que jogava no Japão; e o líbero Tiago, que disputou a última Superliga pelo Minas, como principais reforços. Destes, apenas Tiago e Piá estiveram na apresentação nesta segunda. O técnico Cezar Douglas segue à frente da equipe.

Remanescente da última temporada, Ricardinho acredita que, embora conte com menos nomes da seleção, a equipe será tão forte quanto a da última temporada, que terminou a Superliga na terceira colocação. Para o levantador, a vontade em quadra será a principal característica do grupo.

– Não gosto de comparar, ainda mais porque estamos nos apresentando hoje. Perdemos o Vissotto e o Lucão, que não pôde mostrar tudo o que esperávamos por conta da lesão. Mas a equipe se preocupou em tapar esses buracos, sabendo que ninguém é igual a ninguém. Talvez não tenhamos tantos jogadores selecionáveis, mas vai ser um time com a filosofia de Araçatuba, vai defender a cidade em quadra.

Marcela Constantino, diretora da equipe, se disse animada com as duas equipes montadas para a próxima temporada.

– Conversamos bastante para decidir a base que iríamos manter. Trouxemos reforços, conversamos com os técnicos. Acho que os times ficaram bem montados – afirmou.

Por conta de compromissos com a seleção e os Jogos Militares, as equipes precisarão esperar para contar com todos seus atletas. O time feminino é quem mais terá problemas: nove jogadoras, incluindo Paula Pequeno e Stacy Sykora, só chegarão no decorrer da temporada. Mesmo incompletos, os times, já começam a treinar em Araçatuba nesta semana.

Fonte: Globo.com

Foto: João Gabriel Rodrigues

TWITTER



Redes Sociais